Automatização e estandardização

AINDA SOBRE A automatização e estandardização

O trabalho nas fábricas Ford, fresco do pintor Diego Rivera (em 1932-33) na fábrica Ford, em Detroit. Nela eram aplicados os princípios da "organização científica do trabalho", também conhecidos por taylorismo.

 

O aumento rápido da produção obrigou-nos a imaginar um sistema para evitar que os operários se prejudicassem mutuamente. Os trabalhadores mal dirigidos passam mais tempo à procura dos materiais ou dos utensílios do que a trabalhar e obtêm um salário baixo, porque andar de um lado para o outro não é ocupação remunerada.

O nosso primeiro progresso na montagem consistiu em levar o trabalho ao operário, em vez de levar o operário ao trabalho. Hoje, todas as nossas operações se inspiram nestes dois princípios. Nenhum homem deve ter mais do que uma etapa a fazer; sempre que possível, nenhum homem deve ter de se baixar.

 Os princípios da montagem são os seguintes:

  – Colocar os utensílios e os homens segundo a ordem das operações de fabrico, de maneira que cada peça percorra a menor distância possível da primeira à última operação.

  – Empregar tapetes rolantes ou qualquer outro aparelho de transmissão concebido de tal maneira que, quando um operário termina a sua operação, a peça cai sempre no mesmo sítio.

Henry Ford, Ma Vie et Mon Oeuvre, Paris, Payot, 1925

Esta entrada foi publicada em Materiais didáticos com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s